PREFEITURA DO RIO LANÇA CENTRAL CIVITAS PARA REFORÇAR AÇÕES DE SEGURANÇA URBANA

Na terça-feira, 4 de junho de 2024, a Prefeitura do Rio de Janeiro anunciou a criação da central Civitas, uma iniciativa inovadora que combina vigilância e tecnologia para reforçar a segurança no município. Localizada no Centro de Operações Rio (COR), a Civitas utiliza uma vasta rede de câmeras de monitoramento e sistemas de radar para identificar e seguir veículos de interesse para as forças de segurança.

Estrutura e Funcionamento da Civitas

Monitoramento em Tempo Real

A central Civitas está conectada a mais de 3.500 câmeras de monitoramento espalhadas pela cidade. Essas câmeras, já utilizadas para observar o trânsito e eventos como engarrafamentos e manifestações, agora têm um papel ampliado no combate ao crime. A inovação inclui a integração de mais de 900 radares, equipados com tecnologia de reconhecimento de placas de veículos.

Sistema de Cerco Inteligente

Uma das principais estratégias de segurança é o “cerco inteligente”, que utiliza radares para monitorar veículos roubados ou suspeitos. Esses radares, anteriormente destinados a registrar infrações de trânsito, agora operam continuamente, capturando imagens de todos os veículos que passam. Esta medida permitirá traçar o trajeto de veículos em tempo real e identificar placas clonadas.

Ampliação do Disque-Denúncia

Com o financiamento da prefeitura, o serviço Disque-Denúncia retomará sua operação 24 horas por dia, 7 dias por semana, após um período de funcionamento reduzido desde 2016. Este serviço fornecerá informações críticas para a Civitas, auxiliando na detecção e prevenção de crimes.

Integração com Forças de Segurança

Cooperação com a Polícia e Guarda Municipal

A Civitas encaminhará ocorrências detectadas para os órgãos competentes. Atos de vandalismo e furtos de equipamentos públicos, por exemplo, serão tratados pela Guarda Municipal. Já situações mais graves, como a presença de traficantes armados, serão repassadas às forças policiais estaduais.

Participação da População

Placas informativas serão instaladas próximo às câmeras com a mensagem “você está sendo monitorado”. Este aviso tem o objetivo de dissuadir a prática de crimes. Além disso, há planos para incorporar câmeras privadas à rede da Civitas, aumentando ainda mais a abrangência do monitoramento.

Impacto e Perspectivas Futuras

Melhoria da Segurança Pública

A implementação da Civitas representa um avanço significativo na segurança pública do Rio de Janeiro. A central oferece uma ferramenta poderosa para monitorar atividades suspeitas e responder rapidamente a emergências, aumentando a eficiência das ações de segurança.

Futuras Expansões

A prefeitura tem planos ambiciosos para expandir a rede de monitoramento, incorporando câmeras privadas e desenvolvendo novos métodos de vigilância inteligente. Estas expansões visam criar um ambiente urbano mais seguro e melhor monitorado, protegendo a população e os bens públicos.

Referências:

  • Abdala, Vitor. “Prefeitura do Rio cria central para apoio de ações de segurança.” Agência Brasil, 04/06/2024.
  • Centro de Operações Rio (COR). “Relatório de Implementação da Central Civitas.” Prefeitura do Rio de Janeiro, 2024.

TRAGÉDIAS CLIMÁTICAS: 94% DAS CIDADES BRASILEIRAS FALHAM NA PREVENÇÃO

Sobre marcelo barros

Jornalista (MTB 38082/RJ). Graduado em Sistemas de Informação pela Estácio de Sá (2009). Pós-graduado em Assessoria de Comunicação (UNIALPHAVILLE), MBA em Jornalismo Digital (UNIALPHAVILLE), Administração de Banco de Dados (UNESA), pós-graduado em Gestão da Tecnologia da Informação e Comunicação (UCAM) e MBA em Gestão de Projetos e Processos (UCAM). Atualmente é o vice-presidente do Instituto de Defesa Cibernética (www.idciber.org), editor-chefe do Defesa em Foco (www.defesaemfoco.com.br), revista eletrônica especializado em Defesa e Segurança, co-fundador do portal DCiber.org (www.dciber.org), especializado em Defesa Cibernética. Participo também como pesquisador voluntário no Laboratório de Simulações e Cenários (LSC) da Escola de Guerra Naval (EGN) nos subgrupos de Cibersegurança, Internet das Coisas e Inteligência Artificial. Especializações em Inteligência e Contrainteligência na ABEIC, Ciclo de Estudos Estratégicos de Defesa na ESG, Curso Avançado em Jogos de Guerra, Curso de Extensão em Defesa Nacional na ESD, entre outros. Atuo também como responsável da parte da tecnologia da informação do Projeto Radar (www.projetoradar.com.br), do Grupo Economia do Mar (www.grupoeconomiadomar.com.br) e Observatório de Políticas do Mar (www.observatoriopoliticasmar.com.br) ; e sócio da Editora Alpheratz (www.alpheratz.com.br).

Check Also

A vergonha da inércia e da ignorância na aplicação das leis no Brasil

Por Rodolfo Queiroz Laterza* Ser operador do sistema normativo no Brasil é mais que um …

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *