Divulgação / Porto de Santos

BNDES INVESTE R$ 12 MILHÕES EM PLANEJAMENTO MARÍTIMO NA REGIÃO SUDESTE

O Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) anunciou um investimento significativo de R$ 12 milhões em estudos sobre os usos do ambiente marinho, costeiro e oceânico dos estados do Espírito Santo, Rio de Janeiro e São Paulo. Este investimento faz parte do Planejamento Espacial Marítimo (PEM) da Região Sudeste, que é crucial para a economia oceânica brasileira, representando aproximadamente 82% dessa economia.

Importância da Região Sudeste para a Economia Azul

Economia Oceânica

A economia azul, que engloba atividades como óleo e gás, portos e turismo, é uma parte vital da economia brasileira. A região Sudeste, rica em biodiversidade e recursos naturais, faz parte da chamada Amazônia Azul, abrangendo cerca de 5,7 milhões de quilômetros quadrados. De acordo com a Marinha do Brasil, essa área inclui a superfície do mar, as águas sobrejacentes ao leito do mar, o solo e o subsolo marinhos, estendendo-se até o limite da Plataforma Continental brasileira. É por meio do mar que ocorre 95% do comércio exterior do Brasil, que contribui com 20% do Produto Interno Bruto (PIB) nacional e gera 25% dos empregos.

Contribuição Econômica dos Estados

A economia azul representa uma parte significativa do PIB dos estados do Sudeste: 18,3% para o Rio de Janeiro, 13,7% para o Espírito Santo e 0,9% para São Paulo. Estes números evidenciam a importância econômica da região para o país e justificam o investimento em planejamento e desenvolvimento sustentável.

Objetivos do Planejamento Espacial Marítimo

Sustentabilidade e Desenvolvimento Econômico

O PEM tem como objetivo principal mapear o mar para organizar os recursos atuais e potenciais, integrar diferentes agentes socioeconômicos e garantir segurança jurídica e soberania nacional. A meta é fornecer ao Estado brasileiro dados precisos para o uso sustentável da costa brasileira. Este planejamento inclui a identificação de déficits de investimento e informações sobre diversos setores, como pesca industrial e artesanal, agricultura, exploração de petróleo e gás, mineração, navegação e portos, segurança e proteção, turismo, energias renováveis e meio ambiente.

Consórcio Sudeste Azul

Para a execução do planejamento, o BNDES selecionou o consórcio Sudeste Azul, formado pela Fundação Getúlio Vargas (FGV) e pela Environpact Sustentabilidade. Os recursos, que são não reembolsáveis e provenientes do Fundo de Estruturação de Projetos do BNDES, serão investidos ao longo de 36 meses. Este consórcio será responsável por desenvolver mapas que incluam restrições legais e ambientais, auxiliando na tomada de decisões informadas e sustentáveis.

Expansão do Projeto para Outras Regiões

Iniciativas no Sul do Brasil

O projeto de mapeamento do potencial marinho não se limita ao Sudeste. Em fevereiro deste ano, a empresa Codex Remote foi selecionada para desenvolver o PEM na região Sul do Brasil, com um financiamento de R$ 7 milhões não reembolsáveis do BNDES. Este é um passo inicial na expansão do PEM para outras regiões costeiras do país.

Planejamento Futuro

Até 2030, o BNDES planeja implementar o PEM também nas regiões Norte e Nordeste. Esta expansão é parte da iniciativa “BNDES Azul”, lançada em janeiro deste ano, que visa desenvolver a economia azul brasileira com investimentos focados na descarbonização da frota naval e na infraestrutura portuária, sempre com um enfoque no uso sustentável dos recursos marinhos.

Com informações da Agência Brasil

GUERRA DA LAGOSTA: UMA ANÁLISE DETALHADA DO CONFLITO BRASIL-FRANÇA (1961-1963)

Sobre marcelo barros

Jornalista (MTB 38082/RJ). Graduado em Sistemas de Informação pela Estácio de Sá (2009). Pós-graduado em Assessoria de Comunicação (UNIALPHAVILLE), MBA em Jornalismo Digital (UNIALPHAVILLE), Administração de Banco de Dados (UNESA), pós-graduado em Gestão da Tecnologia da Informação e Comunicação (UCAM) e MBA em Gestão de Projetos e Processos (UCAM). Atualmente é o vice-presidente do Instituto de Defesa Cibernética (www.idciber.org), editor-chefe do Defesa em Foco (www.defesaemfoco.com.br), revista eletrônica especializado em Defesa e Segurança, co-fundador do portal DCiber.org (www.dciber.org), especializado em Defesa Cibernética. Participo também como pesquisador voluntário no Laboratório de Simulações e Cenários (LSC) da Escola de Guerra Naval (EGN) nos subgrupos de Cibersegurança, Internet das Coisas e Inteligência Artificial. Especializações em Inteligência e Contrainteligência na ABEIC, Ciclo de Estudos Estratégicos de Defesa na ESG, Curso Avançado em Jogos de Guerra, Curso de Extensão em Defesa Nacional na ESD, entre outros. Atuo também como responsável da parte da tecnologia da informação do Projeto Radar (www.projetoradar.com.br), do Grupo Economia do Mar (www.grupoeconomiadomar.com.br) e Observatório de Políticas do Mar (www.observatoriopoliticasmar.com.br) ; e sócio da Editora Alpheratz (www.alpheratz.com.br).

Check Also

A vergonha da inércia e da ignorância na aplicação das leis no Brasil

Por Rodolfo Queiroz Laterza* Ser operador do sistema normativo no Brasil é mais que um …

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *