VISITA DE AUTORIDADES AO CENSIPAM: FORTALECIMENTO DA PESQUISA EM DEFESA NACIONAL

No dia 28 de maio, o Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia (Censipam) recebeu duas importantes autoridades do setor de Defesa Nacional: o General de Exército Francisco Montenegro, chefe da chefia de educação e cultura do Estado-Maior Conjunto das Forças Armadas, e a Major-Brigadeiro Médica Carla Lyrio Martins, comandante da Escola Superior de Defesa (ESD). A visita teve como objetivo principal a apresentação das ações e projetos desenvolvidos pelo Censipam e a discussão de possíveis parcerias estratégicas.

Censipam e Sua Relevância na Defesa Nacional

O Censipam, órgão vinculado ao Ministério da Defesa, desempenha um papel crucial na proteção da Amazônia brasileira, coordenando atividades de monitoramento e vigilância que envolvem tecnologias avançadas e cooperação interinstitucional. Suas atividades são essenciais para a prevenção de ilícitos ambientais, controle de desmatamento, e apoio a operações militares e humanitárias na região.

Visita das Autoridades e Objetivos Estratégicos

Durante a visita, o General Montenegro e a Major-Brigadeiro Carla Lyrio Martins foram apresentados a uma série de iniciativas do Censipam, incluindo projetos de monitoramento ambiental, sistemas de comunicação integrados e programas de capacitação técnica. O General Montenegro enfatizou a importância de uma atuação conjunta entre a Escola Superior de Defesa (ESD) e o Censipam, sugerindo a criação de programas de pesquisa colaborativa e desenvolvimento tecnológico.

Potenciais Parcerias e Colaborações

A possibilidade de parcerias entre a ESD e o Censipam abre um leque de oportunidades para fortalecer a defesa nacional por meio de pesquisa e inovação. Entre as áreas de interesse mútuo, destacam-se:

  1. Monitoramento e Vigilância: Desenvolvimento de novos sistemas de sensoriamento remoto e inteligência artificial para monitorar atividades ilegais na Amazônia.
  2. Capacitação Técnica: Programas de treinamento e educação continuada para militares e civis, com foco em tecnologias emergentes e gestão ambiental.
  3. Pesquisa e Desenvolvimento: Projetos conjuntos de P&D para aprimorar as capacidades operacionais das Forças Armadas e promover a sustentabilidade na região amazônica.

Referências

  • Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia. (2023). Apresentação institucional. Brasília: Censipam.
  • Ministério da Defesa. (2023). Estratégia Nacional de Defesa. Brasília: Ministério da Defesa.

TRAGÉDIAS CLIMÁTICAS: 94% DAS CIDADES BRASILEIRAS FALHAM NA PREVENÇÃO

Sobre marcelo barros

Jornalista (MTB 38082/RJ). Graduado em Sistemas de Informação pela Estácio de Sá (2009). Pós-graduado em Assessoria de Comunicação (UNIALPHAVILLE), MBA em Jornalismo Digital (UNIALPHAVILLE), Administração de Banco de Dados (UNESA), pós-graduado em Gestão da Tecnologia da Informação e Comunicação (UCAM) e MBA em Gestão de Projetos e Processos (UCAM). Atualmente é o vice-presidente do Instituto de Defesa Cibernética (www.idciber.org), editor-chefe do Defesa em Foco (www.defesaemfoco.com.br), revista eletrônica especializado em Defesa e Segurança, co-fundador do portal DCiber.org (www.dciber.org), especializado em Defesa Cibernética. Participo também como pesquisador voluntário no Laboratório de Simulações e Cenários (LSC) da Escola de Guerra Naval (EGN) nos subgrupos de Cibersegurança, Internet das Coisas e Inteligência Artificial. Especializações em Inteligência e Contrainteligência na ABEIC, Ciclo de Estudos Estratégicos de Defesa na ESG, Curso Avançado em Jogos de Guerra, Curso de Extensão em Defesa Nacional na ESD, entre outros. Atuo também como responsável da parte da tecnologia da informação do Projeto Radar (www.projetoradar.com.br), do Grupo Economia do Mar (www.grupoeconomiadomar.com.br) e Observatório de Políticas do Mar (www.observatoriopoliticasmar.com.br) ; e sócio da Editora Alpheratz (www.alpheratz.com.br).

Check Also

A vergonha da inércia e da ignorância na aplicação das leis no Brasil

Por Rodolfo Queiroz Laterza* Ser operador do sistema normativo no Brasil é mais que um …

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *