José Cruz / Agência Brasil

PROGRAMA ESCUTA SUSP: APOIO PSICOLÓGICO A PROFISSIONAIS DA SEGURANÇA PÚBLICA

A saúde mental dos profissionais da segurança pública é uma questão de crescente importância. Em resposta a essa necessidade, o Ministério da Justiça e Segurança Pública do Brasil lançou o projeto Escuta Susp, parte do Programa Nacional de Qualidade de Vida para o Profissional de Segurança Pública (Pró-Vida). Este artigo explora os objetivos, a estrutura e a importância do Escuta Susp, que visa oferecer assistência psicológica especializada a policiais e outros profissionais da segurança.

Contexto e Necessidade

Saúde Mental na Segurança Pública

Os profissionais da segurança pública enfrentam diariamente situações de alta pressão e risco, o que pode levar a sérios problemas de saúde mental. De acordo com o Sistema Nacional de Informações de Segurança Pública (Sinesp), houve 821 suicídios de policiais desde 2015, com um pico de 133 casos em 2023, o pior resultado da série histórica. Esses números evidenciam a urgência de programas de apoio psicológico para esses profissionais.

Objetivos do Programa

O Escuta Susp tem três objetivos principais:

  1. Cuidar da saúde mental dos profissionais da segurança pública.
  2. Disponibilizar atendimento online seguro e acessível.
  3. Desenvolver um protocolo de atendimento psicoterápico específico para esses profissionais.

Estrutura e Implementação

Parcerias e Sessões Remotas

O projeto Escuta Susp foi elaborado em parceria com a Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) e será executado em convênio com outras universidades públicas. Na primeira fase, serão oferecidas mais de 65 mil sessões remotas de atendimento psicológico. Os estados de Sergipe, Rio Grande do Norte, Minas Gerais e o Distrito Federal foram escolhidos para iniciar o programa, com previsão de expansão para todo o Brasil em 2025.

Beneficiários

Os beneficiários incluem policiais federais, militares e civis, bombeiros, peritos criminais e guardas municipais que estejam em sofrimento psicológico e não estejam recebendo atendimento adequado. O programa visa garantir que esses profissionais tenham acesso a assistência especializada, melhorando sua qualidade de vida e capacidade de trabalho.

Importância do Programa

Impacto na Qualidade de Vida

Oferecer apoio psicológico a profissionais da segurança pública pode reduzir o estresse e melhorar a saúde mental, o que é crucial para o desempenho eficiente de suas funções. Profissionais mais saudáveis são capazes de tomar decisões melhores e lidar de forma mais eficaz com situações de crise, o que beneficia a sociedade como um todo.

Redução de Suicídios

Ao abordar diretamente o problema do suicídio entre policiais e outros profissionais da segurança, o Escuta Susp busca reverter a trágica tendência observada nos últimos anos. A disponibilidade de apoio psicológico pode ser um fator decisivo na prevenção de suicídios e na promoção do bem-estar mental.

Desenvolvimento de Protocolos Específicos

A criação de protocolos específicos de atendimento psicoterápico adaptados às necessidades dos profissionais da segurança pública é um avanço significativo. Esses protocolos levarão em conta as particularidades do trabalho desses profissionais, oferecendo abordagens mais eficazes e adequadas para suas situações.

Referências

AGÊNCIA BRASIL. Programa dará apoio psicológico a profissionais da segurança. 2024. Disponível em: https://agenciabrasil.ebc.com.br/seguranca/noticia/2024-05/programa-dara-apoio-psicologico-profissionais-da-seguranca. Acesso em: 28 maio 2024.

MINISTÉRIO DA JUSTIÇA E SEGURANÇA PÚBLICA. Programa Nacional de Qualidade de Vida para o Profissional de Segurança Pública (Pró-Vida). Disponível em: https://www.justica.gov.br/sua-seguranca/programas/provida. Acesso em: 28 maio 2024.

SISTEMA NACIONAL DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA PÚBLICA (SINESP). Estatísticas de Suicídios entre Profissionais da Segurança Pública. Disponível em: https://www.sinesp.gov.br/estatisticas-suicidios-seguranca-publica. Acesso em: 28 maio 2024.

Sobre marcelo barros

Jornalista (MTB 38082/RJ). Graduado em Sistemas de Informação pela Estácio de Sá (2009). Pós-graduado em Assessoria de Comunicação (UNIALPHAVILLE), MBA em Jornalismo Digital (UNIALPHAVILLE), Administração de Banco de Dados (UNESA), pós-graduado em Gestão da Tecnologia da Informação e Comunicação (UCAM) e MBA em Gestão de Projetos e Processos (UCAM). Atualmente é o vice-presidente do Instituto de Defesa Cibernética (www.idciber.org), editor-chefe do Defesa em Foco (www.defesaemfoco.com.br), revista eletrônica especializado em Defesa e Segurança, co-fundador do portal DCiber.org (www.dciber.org), especializado em Defesa Cibernética. Participo também como pesquisador voluntário no Laboratório de Simulações e Cenários (LSC) da Escola de Guerra Naval (EGN) nos subgrupos de Cibersegurança, Internet das Coisas e Inteligência Artificial. Especializações em Inteligência e Contrainteligência na ABEIC, Ciclo de Estudos Estratégicos de Defesa na ESG, Curso Avançado em Jogos de Guerra, Curso de Extensão em Defesa Nacional na ESD, entre outros. Atuo também como responsável da parte da tecnologia da informação do Projeto Radar (www.projetoradar.com.br), do Grupo Economia do Mar (www.grupoeconomiadomar.com.br) e Observatório de Políticas do Mar (www.observatoriopoliticasmar.com.br) ; e sócio da Editora Alpheratz (www.alpheratz.com.br).

Check Also

A vergonha da inércia e da ignorância na aplicação das leis no Brasil

Por Rodolfo Queiroz Laterza* Ser operador do sistema normativo no Brasil é mais que um …

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *