INTELIGÊNCIA ECONÔMICA E DEFESA: IMPORTÂNCIA E DESAFIOS NO CENÁRIO ATUAL

A Escola Superior de Defesa (ESD) promoveu, na segunda-feira, 27 de maio, uma palestra de relevância ímpar no campo da inteligência estratégica, intitulada “Sistema de Inteligência em Áreas Específicas – Inteligência Econômica”. O evento foi conduzido pelo renomado Professor Luiz Antonio Peixoto Valle e contou com a participação de diversas autoridades e alunos do Curso Superior de Inteligência Estratégica (CSIE).

Participantes e Importância do Evento

Entre os presentes estavam a Comandante e Reitora da ESD, Major-Brigadeiro Médica Carla Lyrio Martins, Oficiais-Generais das Forças Armadas, o Ministro do Tribunal de Contas da União (TCU), João Augusto Ribeiro Nardes, e alunos do CSIE. A presença dessas figuras ilustres evidencia a importância atribuída ao tema da inteligência econômica no contexto da defesa nacional.

Conceito de Inteligência Econômica

A inteligência econômica é um campo multidisciplinar que envolve a coleta, análise e disseminação de informações econômicas estratégicas para apoiar a tomada de decisões governamentais e empresariais. O Professor Valle destacou que a inteligência econômica de Estado é vital para identificar ameaças e oportunidades no cenário global, permitindo que o país desenvolva estratégias de proteção e crescimento econômico.

Guerra de Quinta Geração

Um dos pontos centrais abordados na palestra foi o conceito de guerra de quinta geração. Esta forma de conflito envolve o uso de meios não convencionais, como a manipulação econômica, cibernética e informacional, para desestabilizar adversários. A guerra econômica, um aspecto crucial dessa nova geração de conflitos, pode incluir ações como sanções econômicas, manipulação de mercados financeiros e ataques cibernéticos a infraestruturas críticas.

Ameaças e Desafios Atuais

Os desafios contemporâneos na área de inteligência econômica são numerosos e complexos. Entre as ameaças destacadas estão:

  1. Cibersegurança: A proteção de dados e sistemas críticos é uma prioridade, dado o aumento dos ataques cibernéticos direcionados a setores estratégicos.
  2. Espionagem Econômica: A obtenção ilícita de segredos industriais e comerciais pode causar danos significativos à competitividade nacional.
  3. Manipulação de Informações: A disseminação de informações falsas ou enganosas pode desestabilizar mercados e influenciar decisões políticas e econômicas.

Importância para a Defesa Nacional

A inteligência econômica é essencial para a defesa nacional, pois permite uma compreensão profunda dos cenários econômicos globais e das suas implicações para a segurança do país. A integração dessa disciplina nas atividades da ESD e do CSIE reflete a crescente necessidade de preparar os futuros líderes militares e civis para enfrentar esses desafios com conhecimento e estratégia.

Sobre marcelo barros

Jornalista (MTB 38082/RJ). Graduado em Sistemas de Informação pela Estácio de Sá (2009). Pós-graduado em Assessoria de Comunicação (UNIALPHAVILLE), MBA em Jornalismo Digital (UNIALPHAVILLE), Administração de Banco de Dados (UNESA), pós-graduado em Gestão da Tecnologia da Informação e Comunicação (UCAM) e MBA em Gestão de Projetos e Processos (UCAM). Atualmente é o vice-presidente do Instituto de Defesa Cibernética (www.idciber.org), editor-chefe do Defesa em Foco (www.defesaemfoco.com.br), revista eletrônica especializado em Defesa e Segurança, co-fundador do portal DCiber.org (www.dciber.org), especializado em Defesa Cibernética. Participo também como pesquisador voluntário no Laboratório de Simulações e Cenários (LSC) da Escola de Guerra Naval (EGN) nos subgrupos de Cibersegurança, Internet das Coisas e Inteligência Artificial. Especializações em Inteligência e Contrainteligência na ABEIC, Ciclo de Estudos Estratégicos de Defesa na ESG, Curso Avançado em Jogos de Guerra, Curso de Extensão em Defesa Nacional na ESD, entre outros. Atuo também como responsável da parte da tecnologia da informação do Projeto Radar (www.projetoradar.com.br), do Grupo Economia do Mar (www.grupoeconomiadomar.com.br) e Observatório de Políticas do Mar (www.observatoriopoliticasmar.com.br) ; e sócio da Editora Alpheratz (www.alpheratz.com.br).

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *