LIVRO DESTACA PIONEIRISMO DAS PRIMEIRAS MULHERES NAS FORÇAS ARMADAS

A primeira turma feminina de Praças das Forças Armadas ingressou na Marinha em abril de 1981, marcando o início de uma era de inclusão e pioneirismo. O livro “307 Sonhos: Mulheres Militares Pioneiras das Forças Armadas – Praças da Marinha do Brasil” celebra essa trajetória, trazendo à tona as experiências e desafios enfrentados por essas 307 mulheres. Lançado em 17 de maio no Rio de Janeiro, a obra conta com a contribuição de 110 coautoras, membros da turma pioneira.

Histórias de Superação e Conquista

Autoras autografam livros durante o lançamento – Crédito: SO-AD Simone/Marinha do Brasil

Publicado pelo Grupo Viana Comunicação com apoio da Diretoria do Patrimônio Histórico e Documentação da Marinha (DPHDM), o livro é uma coletânea de relatos que retratam os bastidores da vida militar sob a perspectiva dessas mulheres. A Capitão de Corveta Josiane Souza de Carvalho Brito, uma das coautoras, destaca a importância da resiliência e do espírito pioneiro: “Tinha tudo para dar errado, mas fomos resilientes. A gente conseguiu mostrar, não só para dentro das Forças Armadas, tudo que a mulher é capaz.”

Organização do Livro

Livro foi escrito por 110 das 307 militares da primeira turma feminina de Praças – Crédito: SO-AD Simone/Marinha do Brasil

Dividido em quatro capítulos, “307 Sonhos” leva o leitor por uma jornada histórica e emocional. No primeiro capítulo, “Nossas histórias”, são apresentados os relatos pessoais das coautoras. O segundo capítulo, “Fatos pitorescos”, traz anedotas engraçadas e situações curiosas. No terceiro, “Mulheres militares pioneiras”, é traçada uma linha do tempo desde a criação do Corpo Auxiliar da Reserva da Marinha em 1980 até a inclusão feminina em todas as áreas da Marinha em 2024. O capítulo final, “Vintage”, revisita os dialetos, fardas antigas e canções militares.

Impacto e Reconhecimento

A Suboficial Walkiria Benícia dos Santos descreve o livro como um símbolo de reconhecimento e celebração da trajetória da primeira turma feminina: “O livro é como um filho. É a representação de toda a nossa história.” O Vice-Almirante Gilberto Santos Kerr, Diretor do Patrimônio Histórico e Documentação da Marinha, enfatiza a importância histórica da obra, que servirá de inspiração para futuras gerações de militares.

Evolução da Participação Feminina

Desde a criação do Corpo Auxiliar Feminino da Reserva em 1980, a inclusão das mulheres nas Forças Armadas tem avançado significativamente. Hoje, as mulheres ocupam cargos de direção, comando e comissões no exterior, e têm acesso a todas as escolas e centros de formação da Marinha. A Contra-Almirante (Médica) Dalva Maria Carvalho Mendes foi a primeira mulher a alcançar o posto de Oficial-General em 2012, seguida por outras pioneiras como a Contra-Almirante (Engenheira Naval) Luciana Mascarenhas da Costa Marroni e a Contra-Almirante (Médica) Maria Cecília Barbosa da Silva Conceição.

Sobre marcelo barros

Jornalista (MTB 38082/RJ). Graduado em Sistemas de Informação pela Estácio de Sá (2009). Pós-graduado em Assessoria de Comunicação (UNIALPHAVILLE), MBA em Jornalismo Digital (UNIALPHAVILLE), Administração de Banco de Dados (UNESA), pós-graduado em Gestão da Tecnologia da Informação e Comunicação (UCAM) e MBA em Gestão de Projetos e Processos (UCAM). Atualmente é o vice-presidente do Instituto de Defesa Cibernética (www.idciber.org), editor-chefe do Defesa em Foco (www.defesaemfoco.com.br), revista eletrônica especializado em Defesa e Segurança, co-fundador do portal DCiber.org (www.dciber.org), especializado em Defesa Cibernética. Participo também como pesquisador voluntário no Laboratório de Simulações e Cenários (LSC) da Escola de Guerra Naval (EGN) nos subgrupos de Cibersegurança, Internet das Coisas e Inteligência Artificial. Especializações em Inteligência e Contrainteligência na ABEIC, Ciclo de Estudos Estratégicos de Defesa na ESG, Curso Avançado em Jogos de Guerra, Curso de Extensão em Defesa Nacional na ESD, entre outros. Atuo também como responsável da parte da tecnologia da informação do Projeto Radar (www.projetoradar.com.br), do Grupo Economia do Mar (www.grupoeconomiadomar.com.br) e Observatório de Políticas do Mar (www.observatoriopoliticasmar.com.br) ; e sócio da Editora Alpheratz (www.alpheratz.com.br).

Check Also

MARINHA: ÁREAS AFETADAS POR PEC SÃO PILARES ESSENCIAIS PARA SOBERANIA

No dia 3 de junho de 2024, a Marinha do Brasil emitiu uma nota oficial …

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *